a Sobre o tempo que passa: Julho 2010

Sobre o tempo que passa

Espremer, gota a gota, o escravo que mantemos escondido dentro de nós. Porque nós inventámos o Estado de Direito, para deixarmos de ter um dono, como dizia Plínio. Basta que não tenhamos medo, conforme o projecto de Étienne la Boétie: "n'ayez pas peur". Na "servitude volontaire" o grande ou pequeno tirano apenas têm o poder que se lhes dá...

30.7.10

Ao António Feio. De Teresa Vieira



Sofrem os homens
Dores
Tão insuportáveis
Que até morrer a própria
Morte
Ou a dos outros
É colher pedaços
De inocência.


Teresa Vieira – A NAU E OS DIAS, Dinalivro, 1999
30.07.10
Sec.XXI

28.7.10

Alerta vermelho! O capital continua a não ter pátria, sobretudo quando tudo tem um preço...



A montanha da mobilização patriotorreca sobre a invasão espanhola do reino de Zeinal Bava acabou por dar à luz um adequado negócio capitalista. Sócrates põe (discurso), mas Lula dispõe, enquanto Zapatero prefere outras bandas largas. O conselho de Berardo sobre nacionalizarmos tudo, nem sequer teve como consequência a inscrição do madeirense no clube dos jerónimos...

Quem dispôs de adequada "inside information", como o Nicolau Santos do "Expresso", tanto acertou como influenciou. Mesmo o capitalismo de Estado, e dos super-estados, tem, às vezes, que aturar a opinião publicada, incluindo a que acaba por não marcar a opinião pública do "share". Ainda não está em vigor, em todos os sectores, a regra de processar o opositor e o dissidente, por falta de respeito às autoridades estabelecidas...

Gostava por isso de saber qual o capítulo da ideologia socialista que justifica a gorda "share" que apenas serviu de "chair" para o habitual negocismo do capitalismo global e da geofinança... Certamente, vão dizer que é para se defender a lusofonia, de maneira as gentes da Guiné Equatorial possam "papiar cristão" em menos de um ano, com a emissão da AR-TV...

Até o senhor ministro Mendonça já sentenciou sobre o que devemos entender por "interesses vitais do país". Prognósticos, só depois do apito final... Não me arrependo do aqui proclamei nos dias quentes do anticastelhanismo primário que a muitos enredou, sobretudo a certa direita sempre fora do tempo. Vão gozar com a tia deles, que eu gosto muito destas telenovelas lusotropicais!...

Claro que não comento a pedagogia do exemplo ontem missionada por um acumulador de prebendas e reformas, públicas e privadas, nesta sociedade de cultura de casino, onde ter poder é carro do Estado, motorista do Estado, secretária-funcionária do Estado e inúmeros gabinetes do Estado com secretárias a imitar as dos gabinetes ministeriais do salazarismo... E, sobre o caso "Freeport", apenas repito o que disse em directo ao Mário Crespo, no dia em que o mesmo explodiu: ataquem o Sócrates politicamente, não façam cobardes pegas de cernelha...
Roque Santeiro, hoje, já dá nome ao maior mercado do mundo, paradoxalmente gerado pelos restos decadentes de certo afro-estalinismo!

O processo legislativo biológico. Por Teresa Vieira



As leis extremamente complexas não suportam a simplificação. Não conhecem sequer o solo onde se implantam.

Não seria má ideia se acaso se pensasse numa produção legislativa biológica como reacção à produção legislativa química que leva, além do mais, à degradação dos seus terrenos de aplicação e à impossibilidade de os recuperar para novas soluções.

O processo legislativo biológico não é um regresso nostálgico ao passado . É certo que não descuida as velhas técnicas, desde que sábias, mas é antes uma busca em vários domínios e que visa ultrapassar muitos dos problemas cruciais da humanidade.

Proponha-se então que se dê nova força aos (re)pioneiros desta legislação biológica para que qualquer legislador biológico ordinário aproveite o esterco para lutar contra
certas doenças dos dias de hoje.

Em rigor, se existisse uma fertilização orgânica dos órgãos legislativos e interpretativos, poder-se-ia constactar o quanto a hortelã-pimenta é sugestiva ao paladar do cérebro.

Tudo isto para já não falar na “paprika” que ultrapassa qualquer legislação de subsistência e permite o reencontro com o ciclo natural da procura da justiça.

É também necessário que se encontre um ponto de equilíbrio entre a legislação de subsistência e a de mercado.

Contudo, não esqueçamos o que é o aspecto biológico da legislação. Este aspecto consiste na ecologia, no conhecimento das leis que regem a Natureza. E nós, das duas uma : ou trabalhamos na legislação biológica de acordo com as leis da harmonia da justiça ou, sujeitamo-nos ao seu transtorno.

E cuidado, nós já temos pago muito caro por encontrarmos agentes do Direito que preferem sempre o arado à charrua.

Ora, tanto quanto sabemos, o arado é anterior à charrua, mas o problema reside numa questão curiosa: é que o arado mexe muito no fundo da terra e então a produção baixa, ainda que eles não saibam porquê.

É sempre aqui que reside o não saber dos porquês nem o seu desvendar. E foi assim que o mundo secou as raízes. Elas vão longas, buscar tudo quanto existe, seja a que mundo for. São trabalhadoras incansáveis e conhecem o primeiro palmo de terra já que nele apoiaram desde sempre o resto das suas vidas.

Ora, o que vai fazendo as leis sucederem-se vertiginosamente, é exactamente e não mais do que destruir toda a legislação de anos anteriores, boa ou má, e justificar o trabalho terreno do acto de legislar cavando-o até onde ele deixa de produzir para os seres vivos

Ora resguardando as situações em que as leis e a sua interpretação e a própria justiça deixam de ser trabalho empírico e produtivo, podemos partir para a rotação biológica destas realidades que não carece nem de adubo, nem de estrume, nem de coisa nenhuma pois que o produtor e a terra da sua lavra, produz bem melhor em horário e calendário e inteligibilidade passando a mesma a ter lugar em 3D.

Assim encontramos o homem das leis enquanto permanente agricultor, o interesse da humanidade tido em conta e a dedicação ao conhecimento como o verdadeiro regadio da vida.

M. Teresa B. Vieira
28.07.10
Sec XX

27.7.10

Mais um dia de alerta laranja...


Mais um dia de alerta laranja...mas não para Sócrates nem Passos Coelho: estão a digerir a entrevista de Paulo Portas a Mário Crespo e o mais do mesmo, emitido pelo decano dos líderes partidários em exercício...

Sócrates, Passos e Portas, somados, esse máximo de aritmética parlamentar, sobem que esta já não corresponde à geometria social, a que vai de D. Carlos de Azevedo a Carvalho da Silva e tem como banco aquele que não foi sujeito ao teste de "stress" da Europa: o Banco Alimentar contra a Fome...

Apesar das previsões de quentura, talvez não haja Verão quente. Alegre, satisfeito com as sondagens e os tabuzinhos, até aproveitará para alguns dias de pesca, antes do regresso da caça aos gambozinos...

O desabamento do situacionismo não será estivalmente provocado por movimentações de forças políticas internas. Está tudo adiado para o orçamento das presidenciais. O imprevisto indisciplinador vai inevitavelmente acontecer, só não sabemos é quando...

Quando anoto a sucessão de adesivos e viracasacas neste situacionismo crepuscular, em nome da possibilidade de distribuição de recursos e prebendas a partir das várias instâncias centralistas das honrarias e dos subsídios do capitaleirismo da sociedade de corte do bom e velho estado, apenas sorrio...

Hoje, tal como depois de 1910 e de 1926, nos começos tal como nos crepúsculos, há sempre um Afonso Costa que vai captando caciques e marechais regeneradores, tal como há viracasacas anedóticos, porque este sistema já entrou em decadência...

Há muitos que, aqui e agora, não servem, apenas procuram servir-se. Porque, por cá, continua a haver muitos pé e poucas botas (expressão de Afonso Costa). Pior do que isso: continua muita gente tão descalça que nem sequer se importa em usar sapatos de defunto...

Basta darmos umas voltinhas pelos corredores e elevadores do poder para confirmarmos o ensalivamento crescente dos esfaimados, desses que continuam a rebolar-se como carpideiras pelas alcatifas infestadas de ácaros dos pretensos donos do poder...

22.7.10

Desconstruções verbosas para regresso à demonologia, em dia de rei bode


ACUMULADORES DE PREBENDAS Eu até conheço alguns encenados oposicionistas que, depois de insinuarem retórica anti-socrática, por oportunismo, logo regressam ao tacho, atrás de um sócrates do partido oposicionista, a nível sub-estatal, mantendo longas negociações de troca de favores com os alternantes, para que vire o disco e toque o mesmo. Quem, por exemplo, conhece o negócio universitário, sabe do que estou a falar!

ALDRABÕES Alguns aderentes de última hora ao passocoelhismo, até já se ensalivavam para um lugar ministerial, julgando que Cavaco vai numa de forças do bloqueio central. Até acredito que alguns já começaram a bailar em torno de Alegre, para não se colocarem todos os ovos do tacho no mesmo cesto! E há por aí uns gerontes de salão, sempre dominantes em momentos de decadência, que vão engordando em retórica com a aldrabice!

BONZOS E REUMÁTICOS A frente nacional dos bonzos e dos reumáticos saídos da toca, acompanhada pelos endireitas e pelos canhotos, é, de facto, um elogio à provocação de Passos Coelho que, com a casca de banana que lançou, pelo menos, permitiu que se revelassem os apoiantes do estado a que chegámos! Até o CDS vê renovada a esperança no queijo limiano...

CADÁVERES ADIADOS Se por aí houvesse um Eça ou um Ramalho que fossem lidos e sentidos comunitariamente, certas anedotas semoventes seriam retratadas e até mesmo gente sem vergonha teria de fugir do palco onde nos continuam a tiranizar e a roubar!

CONSTITUIÇÃO I Os clássicos três pactos do contratualismo democrático continuam a existir, mas o pacto de constituição está dependente do pacto de associação ("pactum unionis") e apenas serve para dar regras mais estáveis ao "pacto de sujeição" ou de governo, aquele que é periodicamente revisto pelas eleições gerais...

CONSTITUIÇÃO II Um bom pacto de constituição é aquele que se vai elevando à categoria de pacto de associação. Um péssimo pacto de constituição é aquele que se confunde com um programa de governo ou com o contrato de rotativismo entre os partidos dominantes e que, justamente, podem ser qualificados com a cristianíssima terminologia de "fariseus", porque não são seitas, mas conservadores do que está...

CONSTITUIÇÃO III Os que se consideram carismaticamente eleitos para membros de uma comissão de revisão constitucional têm de compreender que as ditas revisões e propostas constitucionais são mais o resultado de um conúbio de diplomacia de salão entre os principais mandadores do PS e do PSD, em negócio de "jobs for the boys" e de "poder pelo poder"...

CONSTITUINTES O problema destas constituições sempre em revisionismo tanto está nos constituintes como nos constitucionalistas, dado que ambos usaram e abusaram do privilégio de se julgarem acima dos legisladores e dos cidadãos ordinários, supondo que podem parir opiniões para os amanhãs que cantam pelos séculos dos séculos...

DECADÊNCIA Eu também já fui várias vezes convidado para conviva, sempre com grandes elogios às minhas qualidades e competências. Quando lhes disse não, passei para o desprezo e a marginalidade. Quando resisti fui vítima das unhas aduncas e malcheirosas que já se reproduzem de regime para regime e mostram o desdentado em épocas de decadência, como esta!

GOVERNADORES CIVIS Acho que a melhor fotografia dos reaccionários dominantes que nos desgovernam está na circunstância de agora elevarem a proposta a efectiva extinção dos governadores civis... Julgo que eles já estavam extintos no texto original de 1976. Mas como Sócrates, Cavaco e Soares eram herdeiros de Rodrigo da Fonseca e Costa Cabral, o bicho lá tem continuado por causa da chamada "mesa do orçamento"!

LETRAS QUE MATAM o ESPÍRITO A melhor constituição do mundo era a do profeta da da Traslândia, na peça de José Régio, "A Salvação do Mundo". Um belo livro, com as páginas todas em branco, para que cada um de nós e cada geração pudesse dar um pouco da sua criatividade aos outros...

MESA DO ORÇAMENTO A mesa do orçamento é aquela onde os opositores passam a alegres convivas quando se delambem com o dinheiro do povo, mantendo esta empregomania vigente e continuada, sob tutela da partidocracia. Outro nome para a coisa é a de corrupção feita de cima para baixo, onde o Estado emerge como a principal forma de subversão aparelhística da ideia clássica de república!

PAÇAL Eu paço, tu passas, ele passeia, nos passamos, vós paçais, eles nos passam... O problema não está apenas no tal "homem que passou", mas também nas "passas do Algarve" que continuamos a ter que "passar", despassadamente...

PORTUGAL À SOLTA O problema de Portugal está na circunstância de continuarem as proibições quanto aos portugueses concretos, de carne, sangue e sonhos. Quando é que instauramos um efectivo "Portugal à solta", capaz de abrir as portas e as janelas, mesmo que apanhássemos constipações...

PRACE II "Dois terços dos serviços violam lei dos prémios de desempenho". Bem demora que se conclua pela evidência! E se meterem o critério do nepotismo, do compadrio e do favoritismo, todos verão como as grelhas são verbos de encher pela interpretação do hierarquismo dos mandarins em abuso...

PRACE I Quando os génios da reforma administrativa conceberam o sistema de classificação dos funcionários, nos primeiros dias da década de oitenta, onde chefe e serviços não avaliáveis reforçavam o arbitrário do manda quem pode, obedece quem deve, um certo primeiro-ministro decidiu imediatamente suspender o diploma. Era um tal de Francisco de Sá Carneiro...

RESERVATÓRIO A constituição dos remendos a que chegámos é, de facto, um reservatório...

REVISÃO CONSTITUCIONAL I Eu também acho que o Marcello Caetano não pode ter a ousadia de fazer uma revisão da Constituição de 1933, operando uma radical alteração do conceito estratégico nacional. Perdão, não é Marcello, é um escritor britânico, esse tal Adam Smith, por caso um dos fundadores do liberalismo ético, com o Adam Ferguson... Não! Não é esse é que quer ser presidente do conselho de ministros e está feito com o mercado!

REVISÃO CONSTITUCIONAL II "As disposições constitucionais que se referiam a tal missão nacional desapareceram sem explicação nem discussão, e sem que se anunciasse uma nova motivação....Então, eu tenho um sujeito a combater na linha de combate mais longa do mundo, dou-lhe um conceito estratégico, digo-lhe que até vem na Constituição e, de repente, revogo-lhe aquilo e não digo e, dali a nada, eles estão a combater a favor de quê?"

SOCRATINHOS E CAVAQUINHOS EM BLOCO Pior do que isso, com tanta personalização do poder, tanto em cima como em baixo, na multiplicidade infinita de micro-autoritarismos sub-estatais, entre socratinhos, cavaquinhos, cesarinhos e jardinzinhos, continuamos totalmente dependentes de várias constipações maltratadas...

TORQUEMADAS DE TRAZER POR CASA Custa-me ver certos "founding fathers" não repararem como os "eus" dependem das "circunstâncias", transformando-se nos ortodoxos torquemadas de certo pensamento único que a todos nos vão examinando e chumbando, sem que nos deixem avaliar os avaliadores e as regras de que eles são mera consequência. Porque a letra mata o espírito...

VENDILHÕES DO PODER Se eu fosse socialista, repudiaria estes espartilhos que, dia a dia, nos prendem, invocando, em vão, o belo sonho dos amanhãs que cantam e do seu reservatório de esperança. Os burocratas, de tecnocracias mal traduzidas, e os mangas de alpaca que se fotografam diante de computadores não passam de binários do decretino e do verbeteiro, mas que, na realidade, são vendilhões de poder que usurparam o templo da república!

VOZ DO RATO Silva Pereira, feito voz do Rato, chama radical e irresponsável ao PSD, porque é liberal e pelo horroroso "Estado Mínimo". O fundo papista do ministro da presidência volta a ver fantasmas. Se o PSD fosse liberal à europeia estava como estão os liberais europeus, a terceira força política da UE: à direita do PS, mas à esquerda do PPE, de que faz parte o PSD...Quando um Silva Pereira é o porta-voz da tradição de Proudhon e Antero... resta um sorriso e um convite a Afonso Costa, para sair do túmulo e ir a Roma converter-se diante de um Papa do século XVIII...

21.7.10

Novos verbetes para o dicionário do interregno, contra os coveiros do regime

ALEGRE Quando Alegre cai nas teias situacionistas do governamentalismo, foge da única área onde tem autenticidade: a da metapolítica. Para ser maldoso, até posso imaginar que Mário Soares deve rebolar-se de gozo, com a casca de banana em que vai caindo o grande poeta, quando vai além da chinela onde é mestre!

ARITMÉTICA PARLAMENTAR A aritmética parlamentar pode não coincidir com a geometria política. E quando se usa e abusa da partidocracia das enferrujadas canalizações representativas, o país da realidade pode afastar-se deste país nominal. Estamos mesmo à beira de uma necessidade de refrescamento da legitimidade. Precisamos de mais legitimidade de exercício e não deste uso e abuso da legitimidade de título...

BICOS DE PAPAGAIOS O problema de Portugal não está em Sócrates nem em Cavaco. O problema está na circunstância de metade dos politiqueiros estar de pé-atrás e outro tanto em bicos-de-pé. Logo é só bicos de papagaios...

CONSTITUIÇÂO-CÓDIGO A melhor constituição da Europa é a inglesa: nunca ficou escrita num código, desses que andam sempre a ser revistos. E das escritas, as que mais duram são as que se aproximam da estrutura de um poema. A nossa caiu na tentação de ter um autor dominante e vários parentes, ditos pais-fundadores...

CONSTITUIÇÃO-MITO Sou totalmente favorável à reposição em vigor das Actas das Cortes de Lamego. E acrescento-lhes "Os Lusíadas", revistos, acrescentados e elevados à metafísica pela "Mensagem" de Fernando Pessoa. Ou então encomendava-se outra a Manuel Alegre, mas sem a ideologia que ele diz ter: só com o ritmo de pátria, que ele tão bem conjuga (é verdade, não é ironia...).

COVEIROS DO REGIME Porque já mataram o Machado Santos e podem instrumentalizar o Mendes Cabeçadas, prefiro reler as crónicas da "Seara Nova" sobre a matéria. Sobretudo, os conselhos de Raul Proença. Não quero cometer os erros dos relatórios do embaixador britânico, sobre Silva como potencial líder fascista, já depois de ele ter recebido apoio dos catolaicos do CCP no parlamento, um dos quais era António de Oliveira Salazar...

ESTADÃO O bom e velho Estado...ei-lo de volta à retórica. Só que o estado a que chegámos já são são vários Estados ao mesmo tempo, sobre o mesmo território e a mesma população. Por cá e agora, é a República Portuguesa, União Europeia, NATO e os estados dentro do Estado a que chamamos grupos de pressão. Sebastião José já não volta, Mouzinho da Silveira era urgente...

GPS AVARIADO O homem do leme tem o aparelho escangalhado. Roubaram os mapas. O nevoeiro não deixa ver os astros. O GPS avariou, que não pagámos a mensalidade. O barco já não é navio e ainda não é jangada de pedra. Está quase em "out of control"...

INFERNO DAS BOAS INTENÇÕES Sócrates e Cavaco não existem. Vivem no inferno das boas intenções... Um dia dizem que a situação é insustentável. No dia seguinte, querem dar-nos uma injecção de confiança. Mas nunca acertam na veia.

JS O Pedro Delgado Alves da velha Boina Frígia é o novo líder da Juventude Socialista. Sou suspeito. Tenho-o acompanhado desde que episodicamente fomos professor e aluno na Faculdade de Direito de Lisboa. É daqueles de quem espero que, lá em cima, mantenha a rebeldia que sempre manifestou cá em baixo. Uma grande abraço de boa estrela!

LETRAS QUE MATAM O ESPÍRITO Algumas letras da Constituição estão a ofuscar-nos o espírito da democracia, que é o princípio básico da Constituição. E a letra pode matar o espírito. O quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos catetos... disse um tal de Siracusa, antes de Colombo pôr o ovo de pé. Basta um furo na casca...

MANIA DAS GRANDEZAS O mal deste país é a mania das grandezas que não não deixa que nos comparem com coisas do nosso tamanho. Continuamos, muito esquizofrenicamente, a querer acabar com o capitalismo global e a construir agências de "rating" alternativas...

MENDONÇAR O lusitano léxico continua a encontrar, quotidianamente, novas variantes para o verbo mendonçar. Isto é, quando o ministro fala, ninguém o interpreta correctamente, pelo que tem que ser emitida interpretação autêntica, a partir do gabinete do mesmo ministro. Especialmente quando ele tenta dizer que temos de pagar...

MIRANDÊS Um ilustre professor, ex-candidato a provedor pelo PS, veio ajudar o PS contra o projecto de proposta de Passos Coelho. Está contra todas as revisões que não lhe peçam conselho. E até puxou de uma proposta, em separata, que logo ofereceu ao entrevistador. Com mais personalizações do poder constitucional deste género, reforço a minha perspectiva de legitimidade tradicional.

MOTA AMARAL Parabéns, João Bosco Mota Amaral! É bom recordar o futuro. No princípio era o homem, não era o Estado... (Maritain o disse, aprendi-o com Lucas Pires).

NAVEGAR À VISTA DE COSTA Um dia fazem orçamento. Noutro, revogam-nocom o PEC 1. Logo a seguir dançam o tango. E vão para o PEC 2. Mas depois de uam viagem a Bruxelas, logo passam para o 3. Perderam os papéis da rota. Avariaram o GPS. Agora navegam à vista de costa...

NUMEROLOGIA A realidade dos números é...uma coisa de Hermes, de Pitágoras e dessa ciência exacta chamada... discurso de José Sócrates Pinto de Sousa, o nosso Primeiro-Ministro, que gosta dançar o tango, porque a bailar, a bailar, nos injecta confiança. A maioria continua a fugir com o rabo à seringa, mas, apesar disso, eis que nos continuam a seringar...

OBSTINADOS I Quatro obstinados do século XX português: João Franco, António Maria da Silva, António de Oliveira Salazar e Vasco Gonçalves. Um deu em regicídio. Outro foi o bonzo coveiro da nova República Velha. O terceiro foi para uma guerra colonial julgando que a Terceira Guerra Mundial ocorrerria em meados da década de sessenta. O quarto caiu nos votos de 25 de Abril de 1975, sem necessidade de tiros.

OBSTINADOS II Este que nos desgoverna, João Maria de Oliveira Gonçalves, continua a receber apoio de um partido que se diz herdeiro dos antifranquistas, dos não-bonzos, dos anti-salazaristas e dos anti-gonçalvistas, contra endireitas e canhotos. Resta que um dos seus agentes do respectivo SNI proclame: "eu não sou de direita nem de esquerda, sou do partido republicano" (Silva o disse na véspera do 28 de Maio)...

PAÍS ADIADO I Estivemos adiados por três eleições num ano. Ficou tudo pior. Agora estamos adiados por uma recandidatura. Não ficaremos melhor. Valia mais um contrato social refundador do regime, contra o sistema. Onde o máximo de apoio da aritmética parlamentar (CDS, PS, PSD, PCP) acrescesse ao apoio da geometria social, mesmo que o governo fosse minoritário, mas que cumprisse o pacto.

PAÍS ADIADO II Desadiemos Portugal, saiamos do círculo vicioso politiqueiro, mas sem hipocrisia. Os problemas económicos apenas se resolvem com medidas económicas, mas não apenas com medidas económicas. Devem subordinar-se a uma política que seja pilotagem do futuro. Que seja mesmo política.

PAPISTAS E todos os mais papistas do que os papas nem reparam como se cruzam com a memória salazarenta do decretino e das pequenas personalizações de poder, refinando a cobardia, os tarados do poder pelo poder, o carreirismo e a endogamia. E o que anda assim pelos baixios burocráticos gerou o que está em cima, num circuito vicioso de autoclausura reprodutiva...em nome da lei!

PORTA-VOZ Não há ninguém que diga ao Manuel Alegre para ele não exercer o papel que outrora teve Vitalino Canas e que resultou mal com o Silveira... Para aparecer mais nos "meios" da "imagem e da sondagem", mesmo sem "sacanagem" não convém que ande a reboque de um processo de "agenda setting" que tem mão bem visível: a da contrapropaganda oficiosa do situacionismo!

PRESIDENCIALISMOS Governo presidencialista ou de iniciativa presidencial precisava de Constituição do tempo de Eanes. O PS de Soares e o PSD de Sá Carneiro revogaram esse preceito. Agora só para Proença de Carvalho nos fazer esquecer que foi ministro da propaganda de um governo presidencialista, como lhe chamou Sá Carneiro num comício, antes de o derrubar.

ROMPER A TEIA DE PENÉLOPE Nunca reduzir-nos ao presente paralelograma de forças bancoburocráticas e eurocráticas. Quebrar a teia de Penélope. Em tempo de circunstâncias extraordinárias, decisões extraordinárias, sem estado de sítio nem pais tiranos, mesmo que sejam iluminados déspotas...

SILVAPEREIRIZAR Outro novo verbo, em processo de nota oficiosa em curso, é o verbo silvapereirizar, isto é, falar à frente das bandeiras, para responder a António Costa, explicando, convictamente, que todo o governo está mesmo mobilizado. Não era necessária a demonstração...

SOCRATINHOS E CAVAQUINHOS Pior do que Sócrates são os socratinhos que em cada canto se multiplicam, sonhando estabelecer uma sucessão de bloqueios centrais com os restos de cavaquinhos que nos vão cogumelizando...


20.7.10

JS em mudança


O Pedro Delgado Alves da velha Boina Frígia é o novo líder da Juventude Socialista. Sou suspeito. Tenho-o acompanhado desde que episodicamente fomos professor e aluno na Faculdade de Direito de Lisboa. É daqueles de quem espero que, lá em cima, mantenha a rebeldia que sempre manifestou cá em baixo. Um grande abraço de boa estrela! Os da boina estão aqui na coluna da esquerda de quem olha desde que há coluna da esquerda neste blogue, numa cumplicidade antiga...


A última vez que falámos academicamente foi sobre a hipótese de um trabalho sobre o perfil dos governos provisórios na história das democracias portuguesas. Julgo que, na JS, há um conjunto de jovens quadros de muita experiência e boa preparação política que, pelo menos, vão desafiar a JSD a assumir tal patamar. É pena que as lideranças das jotas não saibam comunicar esta renovação a que tenho lentamente assistido ao país, porque é por dentro e de menino que se pode torcer o pepino de certa partidocracia...


Tenho este defeito de estar sempre solidário com os alunos com quem cultivei a vivência de escola. Neste caso faço-o com a intuição de quem sente uma renovação sustentável. Espero poder dizer a mesma coisa da JSD dentro de momentos...

19.7.10

Processo de obstinação em curso. No DN de hoje


Neste processo de obstinação em curso, o lusitano léxico continua a encontrar, quotidianamente, novas variantes para o verbo mendonçar. Isto é, ninguém entende correctamente a “newspeak” do ministerialês, pelo que tem que ser emitida interpretação autêntica, a partir do gabinete do mesmo ministro, ou através de uma conferência de imprensa de quem acredita que o discurso politiqueiro é construtivista da realidade, sobretudo daquela ponte do tédio que vai daqui para o não-lugar.

Ontem silvapereirizou-se, anteontem canavilhou-se, hoje foi a ministra que tem Walter Lemos como ajudante, e quase todos vão dizendo que afinal não vimos, não ouvimos e não lemos. Aliás, só podemos colmatar as lacunas de competência recorrendo a Pitágoras, a Trismegisto e não a essa ciência exacta do discurso de um psicodrama que se aproxima, cada vez mais, do perfil de um João Franco e de um António Maria da Silva.

A aritmética parlamentar e o decretino ministerialista já não coincidem com a divina geometria política. Estamos mesmo à beira de uma necessidade de refrescamento da legitimidade de exercício, bem diversa do presente uso e abuso da mera legitimidade de título...

14.7.10

O ovo de Colombo


Não sou optimista nem pessimista, sou determinado. Mestre Jean Monnet o tinha como lema..

Por cá e agora, a lenga longa deste quintal de monocultura politiqueira, com os habituais capatazes do negócio do betão e das chouriçadas saídas das fábricas de sôtores, a que continuam a chamar universidades...

O mal deste país é a mania das grandezas que não nos deixam comparar com coisas do nosso tamanho. Continuamos, muito esquizofrenicamente, a querer acabar com o capitalismo global e a construir agências de "rating" alternativas...

Sócrates e Cavaco, politicamente, já não existem. Vivem no inferno das boas intenções... Um dia dizem que a situação é insustentável. No dia seguinte, querem dar-nos uma injecção de confiança. Mas nunca acertam na veia.

Um dia fazem orçamento. Noutro, revogam-nos com o PEC 1. Logo a seguir dançam o tango. E vão para o PEC 2. Mas depois de uam viagem a Bruxelas, logo passam para o 3. Perderam os papéis da rota. Avariaram o GPS. Agora navegam à vista de costa...

O homem do leme tem o aparelho escangalhado. Roubaram os mapas. O nevoeiro não deixa ver os astros. O GPS avariou que não pagámos a mensalidade. O barco já não é navio e ainda não é jangada de pedra. Está quase em "out of control"...

Estivemos adiados por três eleições num ano. Ficou tudo pior. Agora estamos adiados por uma recandidatura. Não ficaremos melhor. Valia mais um contrato social refundador do regime, contra o sistema. Onde o máximo de apoio da aritmética parlamentar (CDS, PS, PSD, PCP) acrescesse ao apoio da geometria social, mesmo que o governo fosse minoritário, mas que cumprisse o pacto.

Desadiemos Portugal, saiamos do círculo vicioso politiqueiro, mas sem hipocrisia. Os problemas económicos apenas se resolvem com medidas económicas, mas não apenas com medidas económicas. Devem subordinar-se a uma política que seja pilotagem do futuro. Que seja mesmo política.

Primeiro, a vontade de sermos independentes. Aqui e agora. Gerindo dependências e navegando na interdependência. Submeter-nos para sobreviver. Ter um sonho para lutar. Porque só quem luta consegue ir além do sobreviver. Para viver.

Nunca reduzir-nos ao presente paralelograma de forças bancoburocráticas e eurocráticas. Quebrar a teia de Penélope. Em tempo de circunstâncias extraordinárias, decisões extraordinárias, sem estado de sítio nem pais tiranos, mesmo que sejam iluminados déspotas...

Governo presidencialista ou de iniciativa presidencial precisava de Constituição do tempo de Eanes. O PS de Soares e o PSD de Sá Carneiro revogaram esse preceito. Agora só para Proença de Carvalho nos fazer esquecer que foi ministro da propaganda de um governo presidencialista, como lhe chamou Sá Carneiro num comício, antes de o derrubar.

Algumas letras da Constituição estão a ofuscar-nos o espírito da democracia que é o princípio básico da Constituição. E a letra pode matar o espírito. O quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos catetos... disse um tal de Siracusa, antes de Colombo pôr o ovo de pé. Basta um furo na casca...

12.7.10

Breve dicionário para análise desta conjuntura de interregno



Autodeterminação A revolta dos Países Baixos e o posterior 1 de Dezembro de 1640 transformaram as Províncias Unidas e Portugal nos iniciadores da autodeterminação contemporânea. Não foi contra Espanha, foi contra a usurpação da falsa monarquia universal que tentava construir a Europa pelo imperialismo. Demos-lhe sova e, desde então, somos aliados euro-atlânticos...

Avaliação O problema não está na avaliação, está no reaccionário que avalia, segundo o padrão da pesada herança que nos deixaram. Pior ainda quando dizem que a porcaria que fizeram se chama progresso e ciência. Anedótica é esta aliança que fazem com politiqueiros sistémicos e garotada conspirativa...Já viram o que era o sistema político se ele fosse avaliado através de contrato com a Fundação Mário Soares? E se a comissão fosse presidida pelo Almeida Santos, com Mota Amaral, pelo Freitas do Amaral, pelo Casanova e pelo Major Tomé? Conheço sistemas avaliativos onde a média mental e etária ainda tem mais uma ou duas décadas de endogamia...

Basílio Horta O "Expresso" diz que Sócrates tentou imitar Soares com um governo PS/CDS. Teria sido em casa de Basílio Horta. Falhou e o "tango" foi segunda escolha...Por mim, prefiro que continue o Luís Amado.

Bloco Central Ora aí está um potencial chefe de governo do presidencialismo do Bloco Central que foi vítima de enrascanços de tesouraria: o presidente da televisão pública escolhido por um governo PSD/CDS e que este governo pôs a gerir a defunta Junta Autónoma das Estradas...

Campeões europeus Afinal, quem ganhou a final foi Portugal. Em "rugby" de sete, lá para Moscovo, no campeonato europeu...A bola não é esférica, mas continua redonda. Parabéns aos sete!

Canavilhas Interessa mais o jogo dos Países Baixos contra a Espanha do que passar os olhos por um comunicado ministerial contra um seu director-geral, nomeado por um anterior ministro do governo do mesmo partido, sob a mesma eminência, porque, neste negrume em que vivemos, todos os gatos são pardos mesmo que toquem piano e sejam canavilhas...

Capital sem pátria Qualquer palerma sabe que o capital não tem pátria, mas sabe o que é perder e ganhar, porque não vive naquele pretenso capitalismo de Estado onde apenas se arrisca o dinheiro que é dos outros, com muitos discursos de justificação...

Capitaleirismo Há dois dias que ando pelos meandros capitaleiros. E basta duas ou três carregadelas na procura da informação, para ter que me calar sobre certos meandros. Só os revelaria se, por acaso, me tivesse expressamente equivocado nas minhas previsões. Apenas confirmo a intuição, agora passível de silogismo clássico...

Catalunha Uma das Espanhas que, por cá, há quem não queira ver, ouvir nem ler. Viva a liberdade nacional da Catalunha!

Comemorações da república Ouvindo estes programas de rádio sobre as comemorações da república, tenho de concluir que não é o regime frustrado que se comemora, mas o bom trabalho de recuperação da memória levado a cabo nos últimos anos pelas faculdades de ciência histórica... logo, cientificamente, todos concluem pela verdade: 1910-19126 foi mera continuação de 1820-1910... Nem a República é a República nem o que foi inspirado por Newton é o naturalismo positivista da viragem do século XIX para o século XX. Seria o mesmo do que alguns dizem sobre o Vaticano, de ainda estar com Torquemada e de não ter aderido ao demoliberalismo a partir de 15 de Maio de 1891... Gosto de ouvir o velho Tengarrinha-historiador...agora elogia José Estêvão e a oratória parlamentar... quando era "a própria pátria que fala". Há pouco, homenageavam o Sampaio Bruno e o Cardeal Saraiva. Afonso Costa lá deu mais umas voltas na tumba...E o programa termina com Bordallo a desenhar a esfera armilar...depois de terem recordado, com rigor, a efectiva censura que, depois de 1910 e antes de 1926, recaiu sobre o que designavam como jornais monárquicos...

Decadência Portugalório em arrastadeira, uma receita para a decadência. Pega-se num aposentado ou num reformado, com privilégios pela antecipada e põe-se com outros vegetais da mesma espécie molho de banho maria, fazendo-o regressar aos rapapés da velha chefia burocrática, dando-lhe o nome de avaliação...

Demagogias Sua eminência, qual D. Quixote contra os mercados, defendeu o papel do Estado. Estado, qual Estado? Do velho Estado contra o Super-Estado europeu, no caso da "golden share" da PT, foi no primeiro parágrafo. Da governação económica do tal super-Estado com moeda única, isso foi no parágrafo seguinte. Porque quando os pés passam a ocupar o lugar da cabeça isso dá conversa em família, com cadeira contra as quedas...

Estado e soberania Republicanamente realista, me continuo, sem o qualificar. Mais uma vez. Porque tudo quanto sobre a matéria me escrevi é contra o Estado de Maquiavel e a soberania de Carlos V, de acordo com João Pinto Ribeiro e António Ribeiro dos Santos, contra Sebastião César de Menezes e Melo Freire.

Europa Prefiro o belo sonho de estarmos, hoje, juntos, Portugal, Países Baixos e Estado Espanhol. Mas torci para que vencesse a Catalunha. Apesar de uma das minhas máximas emoções patrióticas: a de ter sentido a fidelidade da Sinagoga Portuguesa de Amsterdão, talvez a única que Hitler teve que respeitar quando ocupou parte da Europa. Sião não esquece. A Nova Jerusalém também não... E Portugal é assim mais universal!

Europeísmo Eu que, por criticar a palha sarkoziana do Tratado de Lisboa fui acusado de retrógado anti-europeísta, perante este espectáculo de xenofobia demagógica de um ministro de Estado e de um primeiro-ministro, clamo pela Europa e temo que não se volte ao velho esquema do ser crime discutir a pátria, reduzindo esta às palavras de um desses chefes transitórios da encruzilhada...Seria interessante que Soares e Sampaio fossem interrogados sobre esta deriva discursiva do partido da Europa Connosco! Por isso vou reler Antero e as causas da decadência dos povos peninsulares...

Futebolítica Jogarmos com a dignidade de uma nação, como Luís Filipe Vieira e Pinto da Costa brincam com os passes dos jogadores transaccionáveis na época do defeso, pode ser grave se não estivermos acautelados com uma boa cláusula de rescisão!

Gerontocracia Em muitos sectores onde deveria primar a criatividade e o sentido de risco, estamos dependentes de padrões esquizofrénicos de uma gerontocracia que nos continua a amarrar a algemas de uma autoclausura reprodutiva das chouriçadas e almoçaradas em "outsourcing"... Nem a Senhora de Fátima já nos pode valer nesta ditadura de corporações fora do tempo que vão do passado para o presente sem pilotagem de futuro!

Iniesta O Iniesta é da Mancha, mas joga no Barcelona desde os doze anos...Pedimos desculpa por esta interrupção, a independência da Catalunha segue dentro de momentos... Hoje até em Barcelona vai haver manif!

Iberismo Unamuno bem anunciava a necessidade de portugalizarmos as Espanhas. É inevitável a coligação iberista das liberdades nacionais da nossa península. É este o meu iberismo. Como o de Antero, Pessoa, Torga e Saramago. Repito. Insisto. Convergir o que anda disperso. Dividir para unificar. Com a Europa como congregadora.

Inside information Depois de ler a última crónica de Nicolau Santos no "Expresso" (ainda não está "on line"), apenas concluo que o fundamental nos negócios é a "inside information". Por isso defendo que o Estado que resta não meta a pata na poça do intervencionismo e da ciência das relações, como foi a praticada por ex-ministros como Dias Loureiro ou Armando Vara, nem que tomem refeições privadas com Clinton...

Krugman Casillas obrigou ao prolongamento... E Krugman prevê uma expulsão e o consequente contágio... Estamos lixados e ainda por cima com amadorismos no departamento médico da selecção. Chamem o Mourinho!

Laranjas Os laranjas estão subir nas sondagens dos avançados, mas os vermelhos, pintados de azul escuroi, ganharam o jogo no prolongamento... Cuidado, relvas! Eles podem fazer uma chicotada psicológica.

Megalomania A megalomania, ao provocar altas expectativas, costuma gerar mais altas frustrações. Espero que a procura da condenação, a que nos sujeitámos, tenha sido mera táctica, dentro de uma estratégia negocial. Se, com o desabrochar do fruto, verificarmos que apenas navegámos à bolina, temos de concluir que quem o provocou é irresponsável. Esperemos pelo fim de um bom negócio!

Negocismo Não me parece que o nosso actual estadão consiga navegar flexivelmente no mar encapelado dos negócios, sem que alguns dos respectivos agentes caiam nas tentações do negocismo...

Neoliberais Quando os socialistas clamam contra os neoliberais, quase tentam invocar a ortodoxia liberal que não assumem, mas que os marcou...pena que a deriva neojacobina do verbalismo propagandístico retome certos fantasmas e rejeite parte da boa herança da I República e da monarquia constitucional!

Notário da República Lá vou ouvindo Sampaio...É um simpático pedaço do passado onde, como notário da república, não há nada para odiar...Declara que está ali para não dizer nada, apesar de exercitar um ensaio de consulta psiquiátrica, a fim de "dramatizar" a necessidade de um compromisso que vá além das forças parlamentares...

Ocultistas Porque nem os ocultistas conhecem Hermes, o chefe a que me refiro não é um "ele", mas todos os que, tomando "posse" confundem o hábito com o monge...

Polvo Consta que o nosso primeiro está no aquário do polvo Paulo, cujos tentáculos acertaram em pleno... A lei portuguesa não permite que tal bichano possa ser nomeado assessor, nem com arroz malandrinho à mistura.

País de suicidas e regicidas Antero foi um dos que acabou em suicídio. Em Ponta Delgada, sob o muro do Convento da Esperança, sob o bronze de uma âncora...Continuo a esperar que não tenha morrido em vão. Pouco antes, andava a fazer comícios na Liga Patriótica do Norte, procurando abanar os sonâmbulos que todos continuamos! Miguel de Unamuno, depois de viver intensamente a morte de Camilo Castelo Branco, numa carta a Manuel Laranjeira, qualificou-nos como "um país de suicidas"...Isto foi antes de logo passarmos a ser um país de regicidas, presidenticidas e primeiroministicidas, entre 1908 e a Noite Sangrenta...passando pela Leva da Morte onde um dos autores morais do regicídio também acabou a tiro...

Partido dos provedores Depois de longos comentários do provedor das agências de viagens, por acaso deputado do PS, vem agora o provedor do trabalho temporário, também do PS, isto é, do partido dos provedores, proclamar que o líder da oposição está contra os interesses nacionais, porque se ajoelha em Madrid... O apelo de Sampaio para os compromissos resultou em cheio!

Patriotorrecas A invocação patriotorreca a que certos sectores se dedicaram, incluindo os que me acusaram de antipatriótico por ser tão iberista quanto Antero, Torga, Pessoa ou até Saramago, é directamente proporcional ao europeísmo dos que ao primeiro tiro rasgaram logo a bandeira das doze estrelas, que, sem ser por acaso, era a do Padre António Vieira para o devido Quinto Império que subscrevo!

Pescada Resta saber se a teoria da pescada, quanto ao negócio maior ainda é susceptível de pesca, atendendo ao auto-desmantelamento da frota a que nos dedicámos com sucessivas implosões de navios e barcos destes últimos dias...

Polémica Vossa Senhoria está, sem dúvida acima das minhas lérias, das minhas botas e das minhas perdigotas, por isso vou continuar como sempre fui, renascentista, neopolítico e os raios todos que me continuam a partir. Mas reparo, mais uma vez, como só é possível o diálogo entre quem tem "loci" ou "topoi"...

PT Empresas de grande dimensão e até mesmo multinacionais, devemos ter ambição em criá-las, mas seguindo exemplo de Estados com a nossa dimensão: em parceria estratégica. Até com Espanha, se coincidirmos em interesses e salvaguardarmos a honra. 2010 não é 1640 nem 1383-1385. Aprendamos com holandeses, helvéticos e catalães. Tenhamos juízo!

Queiroz Queiroz ficou aliviado. Afinal só perdeu por um zero com o campeão do mundo...

Recandidatura Sampaio, de forma indirecta, ao dizer que ficaria surpreendido se Cavaco não se recandidatasse, veio assim confirmar que não se recandidatou porque nunca se recandidataria contra uma recandidatura de um actual presidente que institucionalmente respeita. Por outras palavras, Alegre e Nobre surgem por causa do não de Sampaio a uma recandidatura.

República A pedido da comissão comemorativa do centenário da tal coisa pública, como se antes não houvesse democracia nem república, a final do campeonato do mundo de futebol vai ser entre duas realezas que o voltaram a ser depois de terem experimentado a forma não monárquica de chefia do Estado...

Salazarentos Silva Pereira e Sócrates sobem a parada salazarenta. O chefe da secção nacional de um partido multinacional perde as estribeiras e já declara que quando o chefe de outra secção multinacional rival do mesmo europeísmo faz declarações em Madrid está a criticar a pátria no "estrangeiro". Mário Soares deve recordar-se do que a PIDE lhe fez quando ele em Londres criticou Caetano...

SARL A melhor forma de defendermos os accionistas-cidadãos da "República Portuguesa SARL" está em transformá-la na "Portugal SA". Onde se convoquem assembleias gerais apenas quando se instaurar a efectiva transparência e se possam demitir os negocistas de certa ditadura da incompetência...Sou radicalmente liberal e, por isso, defendo a integridade do Estado! Passar da SARL à SA significa instaurar a verdadeira responsabilidade política e impedir que esta se transforme na tal "responsabilidade limitada" onde a culpa costuma morrer sempre solteira...

Soberania Conjugo Portugal como observador do jogo dos Países Baixos contra o Estado espanhol. Os três, entre eles, entre cada um deles com cada um dos outros, já estivemos sob a mesma soberania, já tivemos, todos, guerras bilaterais e multilaterais, mas foi há séculos. Hoje temos o respeito pela memória e pelo sonho de futuro conjunto. Por isso, sou mais europeísta do que iberista...

Sondajocracia E lá vou meditando... de como a sondajocracia dos pretensos governos de opinião pode toldar a democracia...

Super-nação Uma das soluções para a crise era a do sonho indisciplinador de Agostinho da Silva: pedirmos a inclusão na república federativa do Brasil e criarmos em Olivença uma universidade comum. Nós que resistimos a Castela, em nome das Espanhas e de Portugal, devimos acirrar nossas plurais pertenças, lusófonas e ibéricas. Até essa foi a última mensagem de mestre Gilberto Freyre...Por outras palavras negociais, só depois de termos feito um compromisso com o Brasil, e com Angola, é que podemos concluir um acordo com Madrid. O capital não tem pátria, mas quem o instrumentaliza em nome do bem maior que é a política, tem que ter o sonho do Portugal universal e conjugar o abraço armilar!

Traidores à pátria O chefe é um homem pragmático. Leu um estudo de opinião onde se garante que a demagogia anti-espanhola dá votos e aplica imediatamente a receita. Não tarda que Barroso seja qualificado como Cristóvão de Moura...resta saber se a defenestração não pode voltar o feitiço contra o feiticeiro....

Triângulo estratégico Apenas digo que o criador do triângulo estratégico do "mare clausum", o fundador do Rio de Janeiro e de São Paulo de Luanda, acabou por mandar para os infernos a respectiva boa intenção. Perdeu-se nos areais, desterrou D. Jerónimo Osório e, com tantas escolas de espiões, não foi informado da existência de huguenotes como conselheiros militares dos adversários marroquinos...
Tribunal europeu O poder judicial da cooperativa multinacional a que nos vinculámos já decidiu conforme a teoria da pescada, o que antes de o ser já o era. Era tão óbvio que qualquer porreiro-pá também o previu. Logo, racionalmente, meditando, tenho de concluir que o nosso máximo decisor apenas anda à procura de factos negociais para um compromisso...O Tribunal que vigia pelo cumprimento do dito Tratado de Lisboa condenou-nos por causa dessa invenção neoliberal dos anos oitenta, dita "golden share". É tão engraçado ver os socialistas agarrados a essa cláusula "neolib" e "neocon"!... Eu que sou dos liberais sem néon, apenas chamo a atenção para a circunstância de, por tal coisa, terem sido accionados outros Estados europeus, mas dos grandões...

Vacas Loucas Sampaio diz que quando foi presidente teve crises igualmente graves, como a das vacas loucas. Agora, regista, em todo lado há paredes e que se dissesse alguma coisa, todos os holofotes da comunidade internacional o podiam tresler...

Vuvuzelas E lá se foram nossas vuvuzelas e aqueles comentadores que falavam na crise do futebol europeu. O campeão mundial vai ser da União Europeia. Torço pelas Províncias Unidas e desejo que a Espanha chegue à final...Viva a Rainha! Viva o Rei! E saudações ao Uruguai que teve deputados nas nossas Cortes Vintistas... memória da colónia do Sacramento e de D. João VI!