a Sobre o tempo que passa: Janeiro 2011

Sobre o tempo que passa

Espremer, gota a gota, o escravo que mantemos escondido dentro de nós. Porque nós inventámos o Estado de Direito, para deixarmos de ter um dono, como dizia Plínio. Basta que não tenhamos medo, conforme o projecto de Étienne la Boétie: "n'ayez pas peur". Na "servitude volontaire" o grande ou pequeno tirano apenas têm o poder que se lhes dá...

31.1.11

Ler Steiner de mala nos olhos e aluno na alma. Por Teresa Vieira





É sabido que George Steiner é um dos mais sofisticados intelectuais do circuito universitário e um dos mais importantes pensadores actuais.


Steiner é seguramente o exemplo vivo de uma aristocracia pensante.


Em nome do mistério da função sobre as maravilhas do saber e da transmissão do conhecimento, sigo este Mestre tanto quanto me é possível e, não recuso de modo algum, ser uma dependente da leitura dos seus livros, do seu eu, tanto quanto sou mais eu nesse caminho, usando aqui uma próxima expressão do dizer de Paul Celan.


Desconheço o número e a qualidade das pessoas que entendem o quanto a arrogância da razão os leva a saber tudo nada mais sabendo.


Desconheço o quanto as pessoas se sentem condenadas às suas próprias personalidades cruéis, falsas, mesquinhas e egoístas: o quanto os homens e as mulheres excepcionais já demonstraram como se poderia ter sido em vez do que se é.


Diz-nos Steiner que transformar a nossa existência num instante imprevisível por via e consequência do amor e suportar dores inomináveis devido à ausência do amado é desfrutar do sacramento mais inexplicável da vida humana.


Acrescenta ainda que, conhecer este instante imprevisível é, dentro do potencial de cada um, tocar a maturidade do espírito.


Assim, na sua Errata: revisões de uma vida, e depois de lermos mais esta obra sua que constitui um inequívoco marco cultural, fascinante e nítido e elegante na precisão, ainda fomos a tempo de ler o quanto
Steiner se reconhece incapaz de abdicar da convicção de que as duas maravilhas que validam a existência mortal são o amor e a invenção do tempo futuro.


E não temos como agradecer-lhe este pensamento, este sentir de excelência e que torna suportável outras realidades de panfleto com as quais temos de aceder no convívio.


É raro o talento deste grande professor.


É rara a corajosa pergunta: poderá a música mentir?


Com Steiner afigurasse-nos da maior honra possível aspirarmos à função de agitadores no meio destas canhestras civilizações, nas quais o pouco, é o excesso de todos no contributo de humanidade e para a humanidade.


Por isso, quando Steiner nos diz que toda a compreensão fica aquém, como se o poema circunscrevesse em seu redor um último círculo para uma autonomia inviolável, e que por essa realidade somos levados a questionarmo-nos sobre as parcialidades das compreensões, Steiner só nos está a prevenir para a possibilidade de virmos a ser afortunados.


E estamos menos sós e menos resumidos quando nenhum dicionário define a profícua história de uma inovação, de uma interpretação, de uma subversão, todas tão presentes nos movimentos das palavras de
Steiner.


Depois dos livros As lições dos mestres, Paixão intacta, Errata, Nostalgia do absoluto, Depois de Babel, entre outros tantos ensaios de Steiner, sempre nos situamos no virá a acontecer, na hermenêutica incompleta ou errónea do esforço interpretativo.


Ainda assim, tudo o que fica por dizer e o que foi dito se insere num contexto não explicativo posto que é mundo e num significado associado à circunstância e ao que percepcionamos, tendo sempre presente que não seremos capazes de «ouvir» Homero do mesmo modo que o seu primeiro público: tal o alerta de Steiner.


Tal a revisão da interpretação e a descodificação da realidade a que nos devemos vincular por ofício de entendimento.


Em última análise, diria que não temos documentos de interpretação e os eruditos também não. As versões que conhecemos são as dos Evangelhos e as vozes rabínicas que escutamos são as das congregações.


Então onde fica o nascimento? As sortes? Os motivos? A chegada e as partidas obreiras de maravilhas? As artes de inquirição de Sócrates?


Os dias como este? Os primatas andróginos? As comparações de Shakespeare? O destino? Flaubert? Os discípulos amados de Jesus? Zenão de Eleia? E Borges?


Se Steiner me aceitar com as minhas nas suas interrogações, diria em jeito e só em jeito, que há uma possibilidade insolúvel da verdadeira inspiração, da verdadeira revelação, ali mesmo onde induzimos nos outros uma aventura diferente da que conheciam, uma aventura que lhes há-de levar ao conhecimento de actuar sobre as possibilidades de uma existência mais enriquecedora e onde, nos momentos mais duros, os espreita, segurando-os, a arte e a poesia com morada e nome de universo.


Enfim, George Steiner: a convicção de um discurso a revisitar sempre de mala nos olhos e aluno na alma.


M. Teresa B. Vieira


31.1.11


Sec.XXI

Mubaraka e a história da Pedra do Reino, para sebastianista arquivar


1
Mubarak faz subir a tropa e os espiões. Tapa cobertura da Al-Jazira e, cortando o pio aos terceiristas, mais liberais, deixa o controlo da contestação aos ditos irmãos muçulmanos. Lá caminha, de vitória em vitória, para a derrota final. A teoria dos autoritarismos modernizantes de certas democra-CIAS já não é o que era.


2
Um dia, o filme será rebobinado no Canal História, reproduzindo-se parcelas do programa Sociedade das Nações, com muitas dissertações de mestrado sobre o Tutankamon... Vale-nos que o Manel José os vai continuar a treinar...



3
Daí, o meu comentário às mubaracas "sound system", através deste videoE faltava quase uma década para eu nascer...Se calhar nasci mesmo por causa desta canção da geração do "babyboom"... Por isso a amo como se ela fosse a minha mãe.



4
Nada mais excitante do que assistirmos a revoluções exóticas, assim sentados no sofá, nos intervalos do Goucha e da Júlia Pinheiro. Pedimos desculpa por estas interrupções, a incerteza vai continuar dentro de momentos.


5
Os Irmãos Muçulmanos talvez não se recordem que foi o nosso D. João I quem começou a vingar-se de Tárique, com a conquista de Ceuta em 1415. Mas também fomos os primeiros a fazer a descolonização, quando abandonámos Mazagão e instalámos a cidade na Amazónia.


6
E além das Colunas de Hércules, lavámos as mãos, bem antes de Napoleão e da leitura dos hieróglifos, com as pirâmides ao fundo. Nem sequer temos o trauma das tropas mouras do generalíssimo, contra a República Espanhola.


7
E não é por acaso que os marroquinos têm a lenda da portuguesa encantada. Agradecem a Álcacer-Quibir com que mitificam a respectiva independência e quase nos admiram como ocupantes de antanho, como nós fazemos aos romanos.


8
Por isso é que também me encanta a Casablanca de Bogart. Não nos mixordámos com as intervenções europeias dos séculos XIX e XX, quando nenhum dos ocupantes ainda tinha lido Samuel Huntington.


9
Apenas me recordo do frustrado desembarque de tropas franco-britânicas em Alexandria, tentando inverter a nacionalização do Canal de Suez, levada a cabo por Nasser e pelo partido que continua no poder no Cairo...Foi a última tentativa de política externa global do projecto europeu, logo travada por soviéticos e norte-americanos...


10
Por lá tudo o que é de pedra e antigo é português, enquanto nós temos as mouras encantadas e dizemos que tudo quanto é de pedra vem dos romanos...mas até ao rio de Conimbriga, chamamos Rio dos Mouros...


11
Toynbee chegou a falar da era gâmica da história. E nada tinha a ver com o símbolo que outros gamaram... o que veio da Índia e foi para a Índia. De qualquer maneira, 1415 é um marco na viragem que ainda hoje continua viagem.


12
D. Sebastião também perdeu a batalha porque os serviços de informações não lhe relataram que, por trás dos marroquinos que venceram o confronto, estavam huguenotes franceses e seus aliados britânicos, os que mais beneficiaram com a não restauração do "mare nostrum". Filipe II, entre outras coisas, rei de Espanha, até nem se portou mal de todo para com o sobrinho.


E na Grande Armada, bem vencível, lá se afundou também a nossa esquadra...


Era subcomandada por um qualquer almirante barrosão...o do porreiro, pá, a ajuda já aí vem...

30.1.11

O Portugal enjoado a que chegámos, com uma maioria de insignes ficantes

1
Aferventam-se as almas de hoje com belos escritos de certos historiógrafos, excelentes analistas dos costumes políticos dos nossos finais do século XIX, invocando continuidades sobre o défice e os atavismos devoristas da classe política. E com toda a razão.

2
As muitas e boas leitura da história do Portugal Contemporâneo podem, muito diacronicamente, ocultar-nos o desafio da sincronia europeia e globalizante. Porque se torna impossível caminharmos para Alcácer-Quibir, procurando um curto-circuito que nos devolva um qualquer “mare clausum”, assente no velho triângulo estratégico que, a partir da fundação do Rio de Janeiro, permitisse a reconquista de Luanda e o tráfico negreiro que gerou certos negócios esclavagistas, ou de companhias majestáticas, para os velhos capitaleiros.

3
Voltando às justas sátiras dos velhos vencidos da vida, que certos mais velhos de hoje dizem repudiar, apenas convém recordar que esses antigos críticos da democracia censitária, o foram antes das revoluções e contra-revoluções nos amarguraram o século XX, entre fascismos e comunismos que certos neototalitários lusitanos continuam a traduzir em calão, como se fosse possível um qual1quer D. Sebastião científico, como bem avisava Guerra Junqueiro.

4
O aparelhismo de poder da nossa “belle époque”, entre o regicídio e o republiquicídio, apenas sustentava tímidas políticas públicas que, antes do 28 de Maio, nem sequer chegavam aos 10% do PIB. Porque foi Salazar, com meio século de atraso, que nos importou Napoleão III e Bismarck, chamando Estado Novo à Providência, antes de Marcello Caetano o rebaptizar como Estado Social. Até históricos do PCP, como Rates e Manuel Ribeiro, deram casas do povo ao corporativismo, antecipando o segredo das vitórias de Cavaco, com transferência do eleitorado da CDU e do PS.

5
Acresce que a geração do Ultimatum e da República, para além do escoamento de excedentes demográficos para o Brasil, aproveitou o conflito das grandes potências, depois da Conferência de Berlim, para construir, à pressa, o nosso último ciclo imperial, não o que acabou em Goa, em 1961, mas o que durou, pela mobilização da guerra colonial, até à descolonização dita exemplar de 1974 e 1975. A ilusão do “não há Portugal sem África”, como clamava António Ennes e irmanou Paiva Couceiro e Norton de Matos.

6
Aproveitávamos os interstícios de poder que, no continente político que começou com a conquista de Ceuta em 1415, nos permitiam os jogos da balança da Europa. E até intensificámos o esforço com a guerra colonial, só começada depois de Dien Bien Phu, da Conferência de Bandungue e da retirada de Argel. Quando De Gaulle decidiu caminhar para a CEE, através da cooperação intergovernamental, neste híbrido a que damos o nome de projecto europeu.

7
Paradoxalmente, quanto mais nos iludíamos com a africanização, no derradeiro esforço do patriotismo imperial, tanto emigrámos para o Brasil, na monarquia constitucional e na Primeira República, como, no crepúsculo do salazarismo, demos os saltos para as Franças e Araganças, mesmo com mala de cartão, antecipando a presente integração europeia.

8
Daí que sejam verdadeiramente inéditos os novos fenómenos demográficos do presente cavaquismo e dos seus heterónimos, do guterrismo e do socratismo. É a primeira vez na nossa história contemporânea e multi-secular que estamos enjoadamente empedrados nas fronteiras medievais. Daí que uma maioria sociológica de insignes ficantes apoie tanto o situacionismo presidencial como o situacionismo governamental, dado que o daquém já não pode safar-se pela procura do d’além.

29.1.11

Dez meditações pouco adequadas a vulgatas decretinas



1
Os merceeiros, os enjoados e os quixotes que nos enrascam não assumem que é possível subverter a realidade através da metalinguagem e das erráticas metáforas. Não compreendem esse quanto mais poético, mais real, cantado por Novalis.


2
A poesia sempre foi mais verdade, no sentido de mais filosófico, do que a história, como ensinava Aristóteles. Porque a via do transcendente sempre esteve mais situada nas circunstâncias do lugar e do tempo, do que as utopias e ucronias em que se enreda o pretenso cientismo, aquele que determina só existir aquilo que se pode medir, como as rígidas réguas dos paradigmas, sempre ultrapassáveis.


3
Quem procura manejar o lume da profecia, sem o fazer esvoaçar fora do lume da razão, vive sempre fora do tempo dominante, sobretudo quando procura conjugar o eterno, longe dos que se enredam no paralelograma de forças do passado, sem as necessárias saudades de futuro.


4
Não subscrevem aquele dito de Vieira, segundo o qual só há o verdadeiro fora do tempo. Ou melhor: fora daquilo que os donos do poder absoluto e da dita ciência certa decretam como suas verdades incontestáveis.


5
A realidade sempre foi subvertida pelas autonomias, quando estas assumem que, no princípio, tem de estar o fim, o tal dever-ser que é, das essências que apenas se realizam pelas existências, onde só por dentro das coisas, as coisas realmente são.


6
Todos os decretinos processadores, em nome da ideologia ou do vértice hierárquico, seja ministerialismo, sejam seus sucedâneos, directoristas, presidencialistas ou rectorísticos, temem os que praticam o pensar é dizer não, como dizia Alain. Ou que a revolta é bem mais fecunda que a revolução, como vai acrescentar Camus.


7
A essência do homem ocidental sempre foi o individual do indiviso, onde está a plena soberania, dita dignidade da pessoa humana. Ou como assinalava Unamuno, a essência do homem ocidental é o ser do contra.


8
Quem experimentou as garras do saneamento e do processamento da persiganga, com que os instalados tentam calar a justiça, não pode admitir que o rolo unidimensional do conformismo nos faça enjoar, sobretudo nesta praia da Europa que sempre foi partida para todas as sete partidas.


9
O sinal do nosso futuro continua a passar pela resistência individual e pelo pensamento crítico da liberdade. Mesmo quando se rejeitam as normalizações impostas pelos pretensos antidogmáticos neodogmáticos, como esses que, perante certo situacionismo, proclamam que têm o monopólio da contestação e assim nos desmobilizam.


10
Os bobos da demagogia, da tirania e da mentira podem alimentar-se desses irmãos-inimigos. Mas quem quiser continuar mesmo do contra tem que procurar o mais além e antecipar o tempo da revolta, voltando ao pensamento que se possa viver.

28.1.11

O nosso défice de democracia fiscal ... e a liberdade de ensinar e de aprender


Ao colégio jesuítico da Quinta dos Padres, de Cernache, homenageando o seu antigo director, o Senhor Padre João Felgueiras, herói de Timor, onde, pelo não público da resistência, lançou muito do ensino que agora há


1
A legitimidade do exercício pode não corresponder à legitimidade do título. Uma escola de propriedade não pública pode exercer uma função pública. E muitas escolas de propriedade pública podem ser privatizadas pela personalização do poder, pelo clientelismo ou pela própria partidocratização. As melhores escolas do mundo não são de propriedade pública, mas exercem funções públicas, até a nível universal.
2
Entre o público e o privado que visa o lucro, há públicos que procuram o lucro e muitas espécies de privados, incluindo os comunitários de fins públicos (como Oxford, Harvard e centenas de outras grandes escolas que são inequivocamente as melhores do ranking mundial).

3
As chamadas escolas católicas até devem ser reguladas por um adequado tratado internacional, como o é a Concordata entre a República Portuguesa e a Santa Sé. Claro que, como liberal, preferia a igualdade de oportunidades e não desconfio do cheque de ensino. Mas basta seguir o exemplo dos nossos parceiros europeus, com mais transparência. Por mim, sou professor da escola pública, fui aluno sempre de escola pública e pelas escolas públicas andaram sempre todos os meus filhos, à excepção do pré-escolar onde escolhi o "João de Deus" que bem merece ser qualificado como serviço público exercido por entidade não pública.

4
Quem me conhece sabe que não sou seguidor de nenhuma religião revelada e até sou manifestamente adverso à interferências sacristas no espaço público. Mas isso não impede de, se for preciso, estar na primeira linha de defesa dos bons exemplos das escolas ditas católicas. Até porque o apoio estadual a cidadãos que optem por tal via pode poupar recursos públicos. Paga sobretudo a liberdade de ensinar e de aprender que é um valor estrutural do nosso modelo pluralista. 

5
Tenho pena que não tenhamos até restaurado os centros escolares republicanos e muitas outras escolas oriundas do pioneirismo da própria sociedade civil, como, por exemplo, os que se baseiam no modelo da Universidade Livre de Bruxelas, uma iniciativa dos maçons belgas e que, ainda hoje, conserva a matriz, ao lado da Universidade Católica de Lovaina. A liberdade europeia vem de um bom ensino estatal e do equilíbrio com essas experiências comunitárias.

6
Eu nunca poderia ter frequentado o liceu e a universidade se, desde o meu terceiro ano do secundário, não fosse mensalmente financiado por uma entidade privada: a Fundação Calouste Gulbenkian. E na universidade ainda recebi alguns contributos dessa memória de solidariedade chamada Sociedade Filantrópica Académica, cujo nome revela a inequívoca origem... Não devemos, nem podemos, extinguir aquilo que o estadualismo ridicularizou como caridade e filantropia!

7
Por outras palavras, mesmo um liberal exige que o Estado tenha uma política pública de educação, onde uma das vertentes tem de ser o estímulo da autonomia daquilo a que chamam sociedade civil. Até os herdeiros do socialismo autogestionário têm essa tradição, bem revigorada pelo cooperativismo, onde se irmanaram com outras origens. Aliás, a nossa história liberal foi a criadora de um mínimo de ensino público alternativo ao esforço da Igreja Católica. Basta recordar o reformismo de Passos Manuel...

8
A ajuda não é um mal por si. O problema está na subsidiodependência. Como no ditado chinês de, para matar a fome, dar peixe em vez de se ensinar a pescar... Chateia-me que alguns dos nossos socialistas caiam na tentação de redutores estatistas. Proudhon, Antero ou António Sérgio bem devem voltas na tumba com essa traição..

9
Deveríamos antes começar pela democracia fiscal. Os que pagam não deveriam continuar a pagar mais por causa da evasão fiscal. O problema do financiamento público das escolas também envolve o interior das escolas públicas, onde o formalismo e a incompetência levam a que sejam isentos ou bolsados aqueles que todos os dias mostram sinais exteriores de riqueza ou desperdício. É manifesto que a igualdade de oportunidades e a justiça social têm sido, secularmente, promovidas pela Igreja Católica e até pela maçonaria tradicional. 

10
Se, dos nossos impostos, saem verbas para uma universidade de Verão do PSD ou para a escola de quadros do PCP, e muito bem, não vejo a razão pela qual as famílias não podem ser compensadas, se quiserem meter as crianças numa escola "Opus Dei" ou numa estrutura educativa marxista-leninista, para que a escola pública seja mesmo imparcial... 

11
Esta de muitos não repararem que o crescimento das escolas privadas com apoios públicos ter sido uma das conquistas de Abril e da respectiva constituição dá que pensar. Veja-se, por exemplo, como o Antigo Regime não admitiu a plena autonomia da universidade concordatária. Porque, com o respectivo desenvolvimento, todos ganhámos. 

12
Quanto à questão da integração de escolas não públicas num contrato de integração na política pública de educação, em vez dos burocratas ministeriais e seus licenciamentos, preferia a democracia fiscal, nomeadamente a técnica do cheque de ensino. Prefiro a liberdade individual ás licenciosidades do licenciamento e seus arbítrios.

*Parte do texto, já saiu aqui. A imagem é da igreja da terra onde cresci, quando a escola que agora quer resistir estava ainda fechada ao povo da terra e apenas servia a congregação que agora a gere e onde em conversas com os padres aprendi muito de quem sou.



27.1.11

Rascunho para um sebastianismo com os pés no chão e a revolta no céu


1
Explosões terroristas em Moscovo, descontrolo no Egipto, meros sinais de turbulência de um mundo que vai girando, indiferente à injustiça, à fome e à doença.

2
Estamos bem mais dependentes dos jogos de interesses de vastas redes neofeudais desta gestão de recursos escassos, onde até há quem salive pelo testamento do velho Stanley Ho.

3
Ficámos na enorme fila dos que têm de submeter-se para sobreviver. E não há suficiente temperatura espiritual que nos avive as brasas do sonho, de quem é capaz de lutar para continuar seu viver.

4
Hoje, nacionalismo, europeísmo ou universalismo estão perdidos nas sucessivas teias do pretenso cientismo dito estratégia, do falso pragmatismo dos tecnocratas, servidores de príncipes, e da utopia inconsequente dos cantadores de ideologia.

5
Eles já não conseguem mobilizar suficientes energias individuais que possam subverter as comunidades políticas.

6
A síntese lusitana desta decadência chama-se eleição presidencial e continuidade governamental.

7
Cavaco e Sócrates são mera consequência desta força da inércia, bem como dos temores ancestrais de quem, enjoadamente, teme o risco da regeneração e da aventura, com os pés no chão.

8
Continuamos a preferir as contas de merceeiro de uma aposentadoria de posto de vencimento, ou de reforma, e já perdemos o sentido das flexíveis naus que nos deram a rota do armilar.

9
Quem torce perante a servidão voluntária pode ter perdido a fibra multi-secular que nos deu pátria.

10
E tristes nos revolvemos neste degredo de um aquém onde já não se vislumbram as raízes do mais além.

11
Se temos que respeitar institucionalmente as medições de uma vontade de todos, apenas devemos notar a percepção que foi manifestada pelos que julgaram a encruzilhada pensando nos próprios interesses.

12
Por mim, quero fazer parte daquela minoria que pensa cumprir a vontade geral e que, portanto, não se revê no situacionismo presidencial nem no situacionismo governamental. Logo, temos de continuar a semear. Hoje, não. Amanhã, será.

As presidenciais, em quatro andamentos





I
Amanhã vai sair nova sondagem para as legislativas. Espreitem. Eu já compulsei a medição. O pós-cavaquismo vai começar. No PSD, já é. No PS, pode vir a ser. Os eucaliptos podem ser postos em vasos, sejam quais forem os resultados de hoje.


Nas presidenciais, até à última ainda é vindima, de uva murcha. Essa de quem morre à vista de costa apenas se aplica a um sistema eleitoral onde, mesmo que votem cem eleitores em dez milhões, apenas contam as percentagens relativas dos votos validamente expressos..

Há velhas instituições democráticas onde os representantes na assembleia-geral variam em proporção. O parlamento formal é medido conforme os que participam no acto eleitoral... Não consta que se dêem mal com o escrutínio...

Mas amanhã, ou até logo, depois da noitinha, vão ser abundantes os prognósticos depois do apito da urna fechada. Os eleitos pouco se importam com as participações, depois de eleitos. Bem mereciam que o número de deputados estivesse dependente do número de votantes e de presidente ter um tempo de mandato proporcional à participação no acto eleitoral...

Logo, aqui e agora, quem vence pode ser vencido. A frase é do maior politógo português do século XX, porque misturou o lume da razão com o lume da profecia. O repúblico em causa é um tal de Pessoa. Consta, não do manual que felizmente não escreveu, mas das "Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação".

"My country, right or wrong; if right, to be kept right; and if wrong, to be set right" (Carl Schurz 1829–1906).


Na véspera, aqui






II
D. Januário Torgal Ferreira declarou-se. Quase repetiu, depois da eleição, o que disse Coelho na campanha. Traduziu em calão o que os ultramontanos dizem de Silvio. Não comento tensões de corredor da universidade concordatária. Mas registo a violência verbal entre os filhos dilectos.

Augusto Santos Silva ainda não comentou o "golpe de Estado constitucional", agora refeito. Consta que vai passar de ministro a capelão militar, dado que este último vai mesmo a ministro, depois da devida autorização papal.


Ministro Lacão veio elogiar a grande maturidade política de Passos Coelho. Não citou ainda o "deixem-nos trabalhar".

Sócrates anotou, linha a linha, o discurso do presidente democraticamente reeleito. Belo trabalho de antecipação. Passos coça a cabeça...

Pouco antes, nosso Primeiro garantiu que os portugueses optaram por não mudar. Que escolheram a estabilidade política. Concluiu até subliminarmente: eu sou o suporte do referencial de estabilidade, Alegre é pretérito imperfeito!

Se Voltaire voltasse, poderíamos concluir que Pangloss apenas seria um plágio...

O essencial é contabilizarmos quantos meses, meses e meses nos enrodilhámos em eleições passadistas. Podiam ter ocorrido todas em menos de quinze dias e já estarmos, há muito, a caminhar para as próximas que, com este quadro de pés de barro e paredes de ferro, vão chegar atrasadas...

PS e PSD têm que decidir o essencial sobre o orçamento a apresentar a Bruxelas até Abril. Tenham juizinho os que estão assim "augados", como se diz para lá do Marão...*

*A expressão "augados" tem direitos de autor. De um político que venceu porque não quer ser vencido, ouvida no último jantar do Albergue. Podem ir aos arquivos, para lhe darem descódigo.


(no próprio dia, aqui)




III
A decisão política cimeira de uma democracia é a orçamental. A de 2011, sobre 2012, vai ser antecipada em meio ano. Acordem para os acordos que aí vêm, depois de um fim de semana em Bruxelas!


Os nossos supremos decisores não passam de "guardadores de patos", para parafrasear Teófilo Braga, o que veio antes de Manuel de Arriaga. Patos continuamos, porque não queremos ser guardas dos guardadores.

Convém incluir a data das eleições no PS no calendário do exame prévio do Orçamento de Estado em Bruxelas. A teoria dos factos consumados e a gestão do médio prazo, tendo em vista a luta contra as armas nucleares. E assim se suspende a democracia por mais de seis meses, porque o povo fez aquilo que vai merecer, passou um cheque em branco e nem sequer garantiu a isenção de taxas.

Alegre não vai candidatar-se a secretário-geral do PS. O pós-socratismo não é. José Manuel Coelho não pediu a inscrição no partido de Paulo Portas. O PSD pondera continuar a via do pós-cavaquismo, mas ainda vive em interregno, depois de um súbito aquecimento de cavaquismo sem Cavaco.

O nível de excitação comicieira nas presidenciais de alguns dos nossos actores políticos é directamente proporcional ao nível de moderação portavozeira, no "day after". Especialmente quando os actores não são autores e querem continuar a manipular os auditores que assistem ao desenrolar da teatrocracia...

O nível de indiferentismo visível de uma democracia é directamente proporcional à ocultação dos processos de compra de poder.


(dia seguinte, aqui)




IV
Descobri o grande vencedor das eleições: a couve que cresce nas traseiras do quintal há cinco anos. E assisti ontem à conversa de um mediático arguido, para a nossa permanecente angústia, entre leis cheias de vírgulas e intermináveis manobras dilatórias. Quase vomitei de nojo.

Continuamos à espera de Colombo que fure o ovo do nosso enjoo. Viva a couve!

Depois, comprovei que o raio dos mercados ainda não perceberam que não vai haver segunda volta das presidenciais.

Espero que Oliveira Marques não tenha acertado na profecia, quando alertou, uns anos antes de falecer: «Portugal está condenado como nação, porque perdeu valores colectivos que definem um povo, uma sociedade, uma moral, uma política». Sinto muitas moscas em movimento e os habituais traidores em histeria, à procura do sangue da vingança.

Deveríamos voltar às três velhas fontes do direito que continham os excessos legiferantes: o costume (o do "tacitus consensus populi"), a jurisprudência (se traduzissem adequadamente "prudentia") e a doutrina (a não capturada por avenças e consultadorias e que fosse mesmo "pro bono"). O resto é chover no molhado.

Regime político não é o que se decreta, conforme a origem etimológica (vem de reger, onde reger tem a ver com rex). Na prática, a teoria é outra, não passa mera relação entre uma determinada comunidade e um determinado sistema de valores. Resulta de um plebiscito quotidiano. Logo, o que parece pode já não ser.

Quando o reger já é o sem rei nem lei e, à liberdade, todos, para cada um, lhe chamam sua, regenerar tem de ser refundar desde a raiz. Para o que esteja em cima rime com o que deve ser em baixo. Caso contrário, vai tudo ao fundo.


(dia três, aqui)

Mandela. Por Teresa Vieira





Mandela como um voo de vida em batimentos de lucidez


Um voo altíssimo, seguro numa vertigem inequívoca


Um violento frémito de paz nas manhãs das guerras


Um filtro inesgotável ao entendimento do incompreensível


Um talo de camélias em jardim deserto


Uma febre de mundo humano no interior dos homens consumidos


Uma árvore, ou uma pedra polida pela própria alma


Um ébrio de sol


Um menino sorrindo


Uma flecha


Um acreditar


Um coração


Um dia sempre partilhado


Um hino exemplar


Um poema sempre por findar


e eu presente – quanta honra – nesta ocasião de anos em que Mandela no
ponto âmago do farol


Persistia.


Teresa Vieira


27.01.11


Sec.XXI

25.1.11

Notas pé-de-página para um ataque que me honra

Para devido registo, aqui deixo a honra que me deu um ilustre presidente mais que tudo, num dos seus editoriais emitidos num diário da manhã da região, reproduzido num semanário de Lisboa. Apenas quero acrescentar que este doutor honorário pela defunta Universidade Independente não me insulta quando invoca, da minha biografia de intervenção cívica, a fundação da Nova Democracia. Tenho esse orgulho, particularmente como participante do pequeno colectivo que redigiu, em esperança, os textos fundacionais do grupo, aos quais continuo fiel. Tenho a honra de, em nome do grupo, ter participado na cimeira da Internacional Liberal, realizada em Dakar. Tenho pena de, também em nome do grupo, não conseguir que frutificassem as negociações políticas mantidas com o Partido Socialista. E foi assim, por causa de tais textos, do ser liberal e de o grupo não ter querido colocar-se no espectro político dos restantes liberais europeus, que discordei e saí, antes do II Congresso. Sempre com os mesmos amigos, os que lá ficaram e os que saíram, por acaso, grande parte dos fundadores. Na recente campanha presidencial, foi pública e notória a minha discordância com o estilo e o fundo da candidatura que os resistentes da Madeira lançaram, mas, se fosse apenas por estes resultados de futuro, poderia dizer que não foi em vão esse esforço público fundacional. Como não me arrependo de ter sido candidato a deputado europeu e às legislativas pela semente de partido que apressadamente lançámos contra o sistema. Tenho orgulho de ter sujado as mãos em compromissos cívicos, como aprendi no meu primeiro baptismo político, ao entusiasmar-me e identificar-me com a candidatura da lista CEM em 1969. Ou quando, a partir de 1975, fui assessor político do ministro Magalhães Mota no VI Governo Provisório, mas sem nunca ser do PPD, apesar de ter participado em breves sessões de reflexão, com os meus colegas universitários Fernando Nogueira e José Manuel Durão Barroso. Ou quando me empenhei a partir de Francisco Lucas Pires, como militante e dirigente do CDS, mas apenas até ao regresso de Freitas do Amaral. Foi nesse breve interregno que me iniciei como candidato a deputado por Beja e Braga. Aliás, nesta última aventura, até cheguei a ser deputado, como número dois da lista, por meros quinze dias, e em substituição, coisa que apenas me foi dada a conhecer depois de ela já ter ocorrido, isto é, sem nunca ter efectivamente exercido o cargo, para gáudio do líder parlamentar de então, do chamado partido do táxi. Mas, do meu intervencionismo, também faz parte o ter sido fundador e activista do movimento Portugal Plural, a favor da regionalização, contra a qual Vossa Presidência, tão coerentemente, se insurgiu, para continuar a ridicularizar, em monopólio de verbosidade, esse desígnio. Acresce que também fui fundador de outra frustração de intervenção cívica, o movimento Intervenção Radical. De todas estas heranças de visibilidade, conservo-me monárquico, apesar de não estar filiado em nenhuma associação com esse carimbo, tal como me reafirmo liberal, e até nem disfarço o ser radical. Faço naturalmente parte das bestas do apocalipse que Vossa Presidência, tão doutoralmente, costuma invocar, e até circulam listas fantasmas onde sou um dos nomes a abater, como homem livre. E mais não quero por ora dizer, porque, sofrendo ambos da mesma maleita hospitalar que costuma afectar quem, com o coração, exercita paixões cívicas e combates sem hipocrisia, apenas lhe desejo boas venturas, as que nos poderão continuar a mobilizar em vida (por mim, não são os óculos, são três "bypass" coronários...). Honra-me, Vossa Presidência, quando me distingue como adversário e pode, ou deve, continuar a adjectivar-me com tal boa distinção. Apenas lhe recordo que fomos, os dois, formados pela mesma escola centenária. E que, pelo menos, é de mau senso e péssimo gosto, aproveitar o ramo a que pertenço por sucessivas provas públicas, realizadas no século passado, para atacar a uma dada categoria universitária que nada tem a ver com este seu mísero integrante. A floresta em causa não merecia a adjectivação com que, no natural curso da polémica, posso merecer em duelo,  especialmente porque me desfiliei, há cerca de uma década, da associação sócio-profissional que os pretende corporativizar, apesar de ter sido um dos seus três impulsionadores e consequente fundador.
JAM
*À polémica, não darei guita de jornal. Fico-me por aqui, apenas. Aqueles que eu quero que a registem não precisam de mais. Pelo menos sou sr., como um tal que, quando mudaram as ondas do oportunismo controleiro, logo passou ao que sempre foi.

20.1.11

Era uma vez…Por Teresa Vieira


Era uma vez uma ilha onde se encontravam quatro náufragos: o Bom, o Mau, o Assim-Assim e o Outro.
Como o pasmo em que viviam era por excesso redutor, na opinião de qualquer um deles, decidiram organizar-se em sessões de diálogo para que se invertesse os sinais de marasmo.
O primeiro diálogo que teve lugar foi o seguinte:
Bom - Estamos num contexto complicado! Isto não é nada bom!
Mau – Conheces-me de algum lado?
Assim-Assim - De facto, ainda não vejo que estejam reunidas as condições para que a liberdade se recupere.
Outro – Há dois aspectos a colocar: um de liberdade e um outro de crime.
Mau – Conheces-me de algum lado?
Outro – Eu? Porquê? 
Bom – Ora porquê?, a vida leva-nos a muitas coisas. E o Mau sabe disso. A vida é um risco permanente e há que compreender o limiar dos deslizes.
Assim-Assim – Só o limiar? Ou também no sentido antropológico do termo?
Outro – Julgo que devemos todos criticar, mas dando alternativas. Não é agora minha missão definir as bases desse projecto, porventura condenado a uma existência curta…
Mau – Conheces-me de algum lado?
Outro – Ora, ora, permito-me remeter-te para o Bom.
Bom – Ah é? Eu é que tenho culpa dele ser assim?
Assim-Assim – A culpa é uma responsabilidade da sociedade e deve ser assumida por todos. Todos devem ser julgados. Ao menos que haja um exemplo!
Mau – Conheces-me de algum lado?
Assim-Assim – Não!, mas tenho ouvido falar de ti e sei que existes. Sei que não és uma ideia burocrática. Até já ouvi o Bom dizer que tu és o «metamau».
Mau – Nunca ouviste dizer que pelos ouvidos se não deve ter por certo o que as vozes fazem correr? Estás-me a condenar sem provas? Estás? Olha que a ilha é curta! Vá denuncia: conheces-me de algum lado?
Bom – Então o que é isso? Tenho de me intrometer nessa salgalhada? A altura não é propícia à agressão, ao desacato, ao insulto. Vejam como eu compreendo e perdoo o responsável de eu estar aqui nesta ilha escarpada e sem solução de saída. 
Assim-Assim – A verdade é que cada um de nós deverá criar de imediato uma ruptura com os atavismos ancestrais do entendimento. Cada um só sobreviverá desta ilha se desabrochar nele a convicção de que por aqui passará quem nos salve.
Outro – Um D. Sebastião?
Assim-Assim – Poderá ser, não achas? Desde que se não vá ao fundo de quem é, não vejo problema.
Outro – Por mim defendo que se não delegue nos outros o sabermos quem somos.
Mau – Conheces-me de algum lado?
Outro – Já te disse que fosses para o Bom.
Bom – Ora essa, e terei de levar com ele por conta do quê?
Outro – Por conta de reconheceres o teu oposto, não? Ou por conta do conhece-te a ti mesmo.
Assim-Assim – É má a minha interpretação ou ainda não descodificaram que eu nada tenho a ver com a situação? É que eu conheço-me, e para já não admito que me metam na tijela do «todos» onde vocês cabem e eu não.
Outro – Ah não? Tu não cabes? Tu não coubeste já? Então de onde é que eu te conheço? Julgas que me esqueci do lugar onde te vi com o Bom? Julgas que tenho a memória curta e não me recordo o quanto tu e o Mau couberam e bem, nas mesmas lides?
Mau – Conheces-me de algum lado? 
Bom – Olhem, olhem, quem lá vem a nado?! O Vilão!
Assim-Assim – Talvez seja bom!
Bom- Bom sou eu!, e mais ninguém! Não me confundam, se fazem favor! Eu sou diferente!
Outro – Estou como o Assim-Assim. Talvez seja bom que o Vilão consiga chegar aqui à ilha. Assim possa ele semear uma nova ética que se preste ao contexto do espírito humano que aqui se vive.
Assim-Assim – Como eu te topo bem! O que tu queres sei eu. Queres aniquilar o Vilão com os três tempos da tua verdade e depois reinares sobre o todo que por ti se espanta. Mas eu não. Não vou contigo. Nem é por isso que quero que o Vilão se safe.
Bom – Ah!não? Então podes explicar qual a razão que te leva a desejar tanto que aqui chegue são e salvo o Vilão?
Assim-Assim – É que aquele que em mim acredita faz obra grande!
Mau – Conheces-me de algum lado?
À chegada o Vilão, mal os vê os restantes companheiros, canta satisfeito:
Serafim, Serafim, saudade, aqui estão todos naufragados sem saberem o que fazer. Lá lá lá lai, Sarafim, Serafim ó Outro que conheces bem o Mau, o Bom e também o Assim-Assim. Serafim, Serafim ó ilha! Que aqui chego eu, o Vilão, e te baptizo democracia! Lá lá lá lai. E que és também poesia, afirmação e vida ímpar que me salvas deste mar. Lá lá lá lai. E que sossego agora o meu, por não usares o nuclear e resolveres a espelho teu!
Mau – Conheces-me de algum lado?
M. Teresa B. Vieira 
20.01.11
Sec.XXI

Elementos para um manifesto contra o Bei de Tunis


1
Entre leões moribundos e águias vitoriosas, quem ganha pitéus são os dragões porque fingem que é verdade aquilo que na verdade sentem. É tudo um problema de tratadores pró bicho...entre fantasmas de direita e preconceitos de esquerda. A boa propaganda é aquela que finge que não é propaganda, mas alegria no trabalho...

2
Nunca como nesta campanha a rede de micropoderes minou tanto a confiança pública no macropoder representativo. Chegou a altura de um efectivo levantamento global desta fragmentação em grupos de interesse e grupos de pressão. Basta cruzarmos as biografias de "pantouflage" de todos os membros das comissões de honra do presidencialismo com a genealogia das consultadorias da administração central e local.

3
As chamadas forças vivas são bem mais do que os velhos patos bravos, os "boys" ou os comandantes do poder bancoburocrático. Tudo se fragmentou e disseminou e manda quem os federa em apoios de consultadoria, trocando projectos em cumplicidades interpessoais, onde a classe partidocrática não passa, muitas vezes, do mero inocente útil.

4
Ontem, depois de me cansar com a últimas imagens da campanha autárquica de Viana do Castelo e da ilha da Madeira, dei um pulo de zapping a essa tertúlia de candidatos a regentes e a assistentes da cadeira de Direito Constitucional VIII, a que dão o nome de Comissão parlamentar de revisão constitucional...

5
Os ilustres representantes da partidocracia que se julga nação, da direita à esquerda, palavravam sobre um discreto sexo do anjo: se a soberania era do povo ou da república. Mas tudo o vento levou, não nos Emiratos ou no Euro, quando um ortodoxo da Revolução de Outubro de 1917, veio insinuar que alguns deviam estar ao serviço do czar, não respeitando o Cinco de Outubro...

6
Toda essa burguesia para lamentar, meteu o rabinho entre os pernas da retórica, lambuzou as feridas do politicamente correcto e lá passou à página seguinte d e umas actas que, amanhã, ninguém lerá, a não ser os pobres assistentes convidados destes convidados por cumprir, no 45º curso de direito que eles não vão abrir, a não ser que mais cinco jubilados de noventa anos sejam chequizados...

7
Que saudades eu tenho d'os lusíadas que escreveram as Actas das Cortes de Lamego, profeciando a Mensagem! Agora, só manobras dilatórias, processuais, o magistério activo de uma banalidade, onde, em vez do "zapping", devia haver "reset".

8
Quando fizerem "reset" no domingo, façam, antes, "backup". Pode ser no Magalhães do sobrinho. É tudo uma questão de adequada execução. Depois, podem continuar a dar longos passeios ao domingo. Mas cuidado com o súbito arrefecimento que a meteorologia vem anunciando

9
Constituição não devia ser manta de retalhos daquilo a que chamam código, como se o contexto do articulado pudesse volver-se em texto e o texto não devesse ser palavra posta em discurso, naquilo a que chamaram "logos", isto é, a razão complexa, a razão não coxa...

10
Esta renda de bilros a que chamam juridicismo, feita da lenga lenga de muitos fios de tripa, atando a chouriçada dos restos de ontem, nem sequer é direito e, muito menos, sonho do que devia ser um pedaço de poesia social, para engenheiros de sonho...

11
A crise da chamada administração da justiça tanto tem a ver com a produção de vírgulas vigente como com a falta de adequada escola, porque há muitos que escapam ao escrutínio quando apenas recebem direitos de autor sem autoridade, por livros que apenas são sumários e por sumários a que chamam conferências... 

12
Nesta permanente concertação dos beis de Tunis em que degeneramos, os situacionismos apodrecidos raramente caem por si mesmos, mesmo depois de quedas na banheira...Só no minuto seguinte ao derrube das alimárias é que a multidão se congrega para saudar o vencedor...

13
Foi assim no 5 de Outubro com as gloriosas jornadas dos adesivos; foi assim com o 28 de Maio e os seus viracasacas; tem sido assim agora, com antigos governantes do antigo regime, em missionologia honorífica da habitual traição bem medalhada...

14
Julgo que só em 9 de Setembro de 1836 é que não foram as armas que certificaram a nossa coragem para a mudança. Nesse dia, a revolta veio de dentro, com deputados oposicionistas fazendo procissão de vivório e foguetório até ao paço da rainha...

15
O último golpe de Estado sem efusão de sangue ocorreu em 25 de Abril...de 1975, onde, pela via eleitoral, se derrotou a própria tropa dominante. Mesmo assim ainda houve verão quente e só em 25 de Novembro seguinte, pela força, é que o contragolpe derrotou o golpe e se cumpriu a urna.

16
Quando um ben ali se instala aqui, ele consegue quase sempre influenciar ou controlar o sistema de produção de escolhas ditas populares da democracia formal. Mesmo quando admite o vira o disco para tocar o mesmo, conforme a tradição do rotativismo devorista.